Arquivo

Posts Tagged ‘Vestibular’

Com 11,4 mi de desempregados no Brasil, uma área sente falta de profissionais

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), do IBGE, há cerca de 11,4 milhões de desempregados no Brasil. As projeções apontam que o número deve subir para 14 milhões até o final do ano. Mesmo assim, a área de Tecnologia passa por um problema de escassez de profissionais.

Com projeção de 12% de desocupação para o fim do ano, um estudo da consultoria IDC Brasil divulgou que o setor de TI deve crescer 2,6%, o que comprova a boa fase do segmento. De acordo com um estudo da instituição Impacta, os salários para a área vão de R$ 3.100 até R$ 55.000.

O diretor da E-storage, Eduardo Guimarães, acredita que o mercado nunca esteve abaixo do que se espera e a tendência é um crescimento acelerado, pelo menos para o momento. E ele ainda vê dificuldades em contratar para a área.

“Nosso maior problema é fazer as pessoas compreenderem que o perfil do profissional não é o mesmo faz tempo, e que eles têm que se capacitar levando isso em consideração. Uma das profissões que mais cresce é o do gerente e coordenador de infraestrutura de TI e esse é um bom caminho para quem quer começar”, diz o executivo.

O cargo de coordenação é responsável por gestão, implantação, execução, fiscalização e transformação das soluções tecnológicas, liderando equipes, dimensionando resultados e buscando melhorias para o desenvolvimento do setor. Segundo a Impacta, os salários para quem o exerce vão de R$ 5.100 até R$ 10.000.

De acordo com o executivo da E-storage, há algumas características essenciais na busca por profissionais para exercer a função. “Esse cara deve ser estratégico, comunicativo e bastante corajoso para inovar sem medo de errar. Além disso, precisa ser um profissional paciente para redesenhar processos e reiniciar soluções quantas vezes for preciso até chegar ao resultado esperado”, comenta.

Quem executa a função é formado em Análise de Sistemas, Ciência da Computação ou Tecnologia ou Sistemas da Informação. Guimarães ressalta que a “capacidade empreendedora” é diferencial.

Fonte: http://www.infomoney.com.br/carreira/emprego/noticia/5343433/com-desempregados-brasil-uma-area-sente-falta-profissionais

O Setor de TI torna-se estratégia da cidade para crescimento

Anuncio_ISS

Marília reduz ISS para as empresas de Tecnologia da Informação

Dia 16 de dezembro de 2015, o prefeito Vinicius Camarinha sancionou a lei de alteração do código tributário municipal de Marília, a qual obteve aprovação unânime pelos 13 Vereadores na Câmara Municipal. A lei entrará em vigor em 2016 e beneficiará todas as empresas do ramo da Tecnologia da Informação do município com a redução do ISSQN (imposto sobre serviço de qualquer natureza) de 5% para 2%.

IMG_7113

“Estamos na contramão do governo federal, que cria impostos, aqui nós os reduzimos, para incentivar nossas indústrias, não existe nada pior que o desemprego, que segura o crescimento de uma cidade e traz problemas para as famílias. A redução da carga tributária, prevista nesta lei que fora sancionada, vai estimular ainda mais a geração de empregos e de renda no nosso município, evitar a evasão fiscal e facilitar a instalação de novas empresas na cidade, além de colaborar para a criação do Parque Tecnológico”, comentou o prefeito Vinicius Camarinha.

A lei sancionada pelo chefe do Executivo foi aprovada por unanimidade na sessão ordinária de segunda-feira pelos vereadores. Entre as medidas adotadas para desburocratizar o Código Tributário do Município, o pacote vai permitir a redução da alíquota do ISSQN (Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza) de 5% para 2% para os serviços de TI (Tecnologia da Informação) e também na área de transportes.

Representantes de diversas empresas de Tecnologia da Informação prestigiaram o ato do prefeito Vinicius e o presidente da Asserti (Associação das Empresas em Serviços da Tecnologia da Informação), Elvis Fusco elogiou a medida. “Essa era uma demanda da ASSERTI desde a sua criação e a aprovação deste benefício fiscal irá colocar a cidade de Marília no circuito dos municípios brasileiros com grandes atrativos para crescimento no setor de TI. Tenho certeza que irá atrair empresas que buscam esse modelo de gestão de Marília, que possui mão de obra qualificada, afinal, contamos com universidades voltadas para esse segmento. É um setor que, apesar da grave crise econômica, está em franca expansão no país”, disse Fusco, que ainda completou que hoje, Marília é uma referência na área tecnológica, com aproximadamente 100 empresas e 2.000 empregados.

IMG_7247

As novas alíquotas de ISSQN já foram aprovadas pela Câmara Municipal, na última segunda-feira, e entram em vigor no dia 1º de janeiro de 2016. “É um passo para um futuro promissor. Marília está promovendo um investimento para atrair empresas de um ninho fundamental e de grande rentabilidade. Ressalto também que em breve nossa cidade poderá contar com um Parque Tecnológico. Vimos aqui representantes dos mais variados setores e a soma de esforços ajudam na realização desses investimentos”, concluiu o presidente da Câmara Municipal, Herval Rosa Seabra.

A sanção da lei foi elogiada pelo diretor regional do Ciesp e industriário, Chikao Nishimura que destacou o comprometimento do prefeito Vinicius em preparar a cidade para o futuro. “Hoje é um dia para marcar a história de Marília, para o futuro da cidade, a área de TI é uma grande alavanca de crescimento de países de primeiro mundo. Acompanhamos aqui a união de segmentos para a construção do parque de conhecimento, com certeza Marília vai ser reconhecida no mundo inteiro. Internet é futuro e conexão com o mundo e o prefeito está de parabéns”.

“É um dos passos mais acertados desta administração, a lei vai beneficiar não só as empresas de TI, mas também algumas ligadas ao transporte e construção civil. O prefeito Vinicius, mesmo diante de toda a dificuldade econômica, teve a sensibilidade de elaborar essa lei e colocá-la em prática beneficiando toda a população”, disse o reitor do Univem, Luiz Carlos Macedo Soares.

 

Pacote viabiliza a criação do Parque Tecnológico

O secretário municipal de Trabalho, Desenvolvimento Econômico e Turismo, Cássio Luiz Pinto Júnior, ressalta que a redução dos impostos é mais um importante passo para viabilizar a instalação do Parque Tecnológico em Marília. “Esta nova alíquota é um dos critérios para se conseguir o credenciamento provisório do Parque Tecnológico. A sua instalação fará com que Marília, num raio de aproximadamente 200 km, seja um grande centro de desenvolvimento de TI, consolidando a cidade com uma visão administrativa moderna e inovadora. A prefeitura está de parabéns pela criação deste incentivo fiscal”, afirmou Cássio Pinto Júnior.

O secretário municipal de Trabalho, Desenvolvimento Econômico e Turismo, lembrou ainda que existem muitos pontos favoráveis para a instalação do Parque Tecnológico em Marília. “Afinal, a cidade já conta uma incubadora, laboratório e o terreno já está disponível. Sem contar, o grande apoio das instituições de ensino para a sua efetivação”, disse.

Fonte: http://www.diariodemarilia.com.br/noticia/143428/sancionada-lei-que-reduz-impostos-fortalece-empresas-e-gera-empregos

 

Matéria do Grupo de Estudos sobre Games do Univem

Na contramão da crise, setor de TI gera mais de 3 mil empregos

Cenário econômico desfavorável não freou o ritmo de desenvolvimento do setor

 

Na contramão da crise, setor de TI gera mais de 3 mil empregos

O mercado de TI tem passado com folga pela crise vivida no país. Atualmente, muitas empresas estão contratando e as perspectivas são boas para o fim deste segundo semestre.
Hoje o país apresenta uma taxa crescente de desemprego, porém o setor de Tecnologia da Informação registrou resultado positivo do emprego formal de 3.319 mil postos entre janeiro e julho de 2015. Em relação ao mesmo período de 2014, houve um aumento de 50%. Os dados são do Cadastro Geral de Empregos e Desempregados (CAGED) e evidenciam o saldo líquido das movimentações do mercado de trabalho. Apenas em São Paulo, cidade principal, responsável pelo efeito favorável da movimentação no setor de TI, foram mantidos 2.604 mil postos de trabalho.
Outro exemplo, são as taxas de crescimento, o ritmo do setor de TI está à frente do projetado para o PIB nacional que, segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), recuará 2,8% em 2015, enquanto que a previsão para o mercado de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) é de crescimento na ordem de 5%, com perspectiva de movimentação financeira na casa dos US$ 165,6 bilhões, conforme prognóstico da International Data Corporation (IDC), divulgado no primeiro semestre deste ano.
Para Elvis Fusco, presidente da Associação de Empresas de Serviços de Tecnologia da Informação – Asserti, o resultado positivo se deve ao fato de que na crise, as empresas criam novas estratégias para minimizar os custos, maximizar os recursos humanos, econômicos e técnicos. Tudo isso para melhorar os processos e aumentar os resultados. “Esses processos sempre vão ser apoiados pela TI. Qualquer que seja a estratégia de negócio que uma empresa tenha, esta passa pelo alinhamento da TI, ou seja, quanto mais crise houver, mais as empresas de todos os segmentos vão se voltar para a TI e demandar das empresas desse segmento soluções para minimizar a crise”.
Gargalos
A Asserti acredita que o Brasil não perderá investimentos estrangeiros  por conta de problemas com infraestrutura, logística e alto custo de energia.
Elvis Fusco lembra que o mercado brasileiro é o 7º mundial, os investidores continuam acreditando no Brasil e investindo no país. A maioria destes investimentos acaba vindo para o Estado de São Paulo, devido sua maturidade em relação à pesquisa e desenvolvimento, mão de obra e infraestrutura.
Somente neste ano, a Investe São Paulo, agência de promoção de investimentos ligada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação, anunciou a concretização de 20 projetos. São aportes no mercado de TIC e em diversos outros segmentos da economia que, juntos, geraram mais de R$ 6,9 bilhões em investimentos e mais de 7,5 mil empregos diretos até a primeira quinzena de agosto.
São Paulo
A preferência do investidor estrangeiro por São Paulo é evidente em vários indicadores. Mais de 70% do capital estrangeiro investido em TIC no Brasil é aplicado no Estado. Além disso, 16 das 23 multinacionais do setor instaladas no país estão sediadas na capital paulista.
O presidente da Asserti acredita que o modelo deve ser copiado por outros estados para atrair investimentos e empresas estrangeiras interessadas em se instalar no mercado brasileiro.
“Acredito que se o país estabelecer um padrão mais alto em relação à qualidade de infraestrutura e o ‘Custo Brasil’ for mais competitivo, o Brasil será o líder em investimentos na área de TI.”
Mão de obra qualificada
Márcio Lacs, presidente da Federação das Associações das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação – Assespro RJ, afirma que os grandes centros do Brasil hoje dispõe de bons profissionais para data center, como projetistas, administradores e operadores. “A internet permite colaboração e atualização continuada, o que em si permite o desenvolvimento profissional.”
Para a Asserti, uma iniciativa importante seria a aproximação das empresas das universidades em modelos de qualificação específica, como a criação de Centros de Inovação Privados nas universidades, em que empresas alocam espaços no campus da instituição, e oferecem treinamentos de capacitação nas tecnologias e processos utilizados por elas. Esse modelo vem sendo utilizado em Marília no Centro Universitário Eurípides (UNIVEM) com as empresas Boa Vista Serviços e Locaweb, que atualmente conseguem absorver os alunos egressos dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas da Informação.
“Pelas demandas específicas de cada empresa de TI, não há como a universidade formar um profissional pronto para atuar nas tecnologias utilizadas. Por isso, acredito que essa aproximação é o caminho para resolver o problema.”
Futuro
A Assespro acredita num forte reposicionamento das empresas em reflexo da conjuntura global propiciada pela nuvem. Também, numa regulamentação trabalhista e fiscal. “Temos que ter mais espaço e facilidade para criar e produzir.”
Para a Asserti, o mercado brasileiro de TI deve se fortalecer ainda mais, nos próximos anos, devido às demandas dos mercados internos e externos e pela existência de entidades fortes no país, que estimulam o crescimento das empresas e da formação de mão de obra, que é o principal insumo para o desenvolvimento do mercado de TI.

Brasil precisa de 750 mil novos profissionais de TI até 2020, aponta Brasscom

Os dados do estudo apontam um direcionamento importante para os muito jovens que ainda não escolheram uma carreira

De acordo com a Brasscom — Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação — até 2020, o setor de tecnologia vai abrir 750 mil novos postos em todo o país. Ou seja, traduzindo para o bom português, há vagas e elas devem continuar crescendo ao longo dos próximos anos. Portanto, os interessados no setor não devem passar por muitos problemas no mercado de trabalho. Porém, o atual estado não é muito animador para as empresas, uma vez que existem poucos profissionais no ramo e estes muitas vezes não estão nada capacitados para ocupar cargos importantes.

Para Rafaela Vita, coordenadora técnica da Klasse! Tech Talents, os dados do estudo apontam um direcionamento importante para os muito jovens que ainda não escolheram uma carreira.

“Com a demanda tão alta, a tendência é que essas vagas sejam disputadas por muita gente. Mais do que nunca, cada vez mais a qualificação será o diferencial e quem estiver disposto a estudar e se especializar. Computadores já são o centro de tudo. São mais práticos, baratos, rápidos para acessar dados e arquivos. Por isso que é fundamental estar preparado para esta demanda: As empresas buscam economia de espaço, de tempo de trabalho, de investimentos e gastos, então, é necessário ter a ponte certa entre o empregador e o candidato”, completa Rafaela.

COMPSI – Computing and Information Systems Research Lab

Computing and Information Systems Research Lab – COMPSI, laboratório de inovação e pesquisa em Computação e Sistemas de Informação que congrega atividades ligadas à prática docente e discente dos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação do Centro Universitário Eurípides de Marília.