Arquivo

Posts Tagged ‘Redes’

Vagas de estágio na área de gestão de redes

Vagas de estágio em Marília na área de gestão de redes para alunos que estejam cursando Ciência da Computação ou Sistemas de Informação:

Atividades da função:

  • Análise de infra-estrutura;
  • Análise de performance de rede;
  • Gestão de problemas de conectividade de rede;
  • Projeto e implantação de redes de telecom;
  • Instalação de equipamentos ativos de rede.
  • Gestão de segurança de equipamentos e redes.

Conhecimentos básicos:

  • Introdução a infra-estrutura de redes de computadores;
  • Endereçamento IPv4 e introdução ao IPv6
  • Instalação e administração de servidores Linux e FreeBSD

Treinamentos oferecidos:

  • Introdução a redes de computadores;
  • Endereçamento IP;
  • Instalação e otimização de servidores;
  • Introdução a infraestrutura de redes HFC, FTTH e Wireless;

Conhecimento em Línguas:

  • Inglês intermediário – leitura.

Interessados devem enviar currículo para suporteinternet@univem.edu.br.

Empresa de Marília tem vaga para Gerente de Redes e Técnico em Telecom

Empresa de Marília está com as seguintes vagas em aberto:

Gerente de Rede

Técnico em Telecom (ou elétrica)

  • Experiência na área.
  • Disponibilidade para viagens.

Interessados enviar currículos para maicont@hotmail.com.

Quase metade das empresas checa redes sociais de candidatos a emprego

Se você tem contas em redes sociais, leia o artigo abaixo do Portal R7 e fique atento aos seus perfis nessas redes, sua identidade e reputação está associada ao conteúdo de suas redes e as empresas não separam o real do virtual, portanto, fique atento.

Quase metade das empresas brasileiras (44%) dizem levar em conta o perfil dos candidatos no Orkut, no Twitter e no Facebook para definir a contratação.

Fotos e informações inadequadas em redes sociais podem prejudicar quem busca uma vaga de emprego.

Segundo pesquisa realizada pela Robert Half, empresa de recursos humanos, quatro em cada dez recrutadores entrevistados checam os perfis dos candidatos. Ao menos 30% deles diriam que o motivo da dispensa seria o descontentamento da empresa com atitudes praticadas na internet.

Outros 25% dos entrevistados dizem não se importar com o que o candidato a uma vaga de emprego faz nas redes sociais. No entanto, 89% dos recrutadores disseram visitar os perfis para conhecer a pessoa. Quase metade faz isso sempre (46%) e 43% só checam o perfil de quem já foi entrevistado.

O advogado trabalhista Marcos César Amador Alves diz que as informações postadas nos sites de relacionamento são públicas e as empresas têm o direito de verificar os perfis.

– Se a própria pessoa publica as informações em sites de relacionamento e as empresas acessam esses dados não é invasão de privacidade porque os dados são públicos.

Além disso, o trabalhador dificilmente consegue se proteger na Justiça caso desconfie que foi excluído de um processo seletivo por alguma escolha da vida particular como, por exemplo, a sexualidade. De acordo com a advogada e doutora em direito do trabalho pela PUC-SP Fabíola Marques, é quase impossível provar que um candidato a alguma vaga de emprego foi discriminado.

– A gente sabe que na prática isso acontece na hora da contratação. Fica quase impossível demonstrar que uma pessoa não foi contratada por algo que ela publicou na rede social.

O estudo foi realizado pela companhia Robert Half, especialista em RH, que entrevistou 2.525 recrutadores e executivos do setor no Brasil, Alemanha, Áustria, Bélgica, Dubai, França, Itália, Holanda, Luxemburgo, República Tcheca e Suíça.

O estudo ouviu 2.525 recrutadores e executivos do setor no Brasil, na Alemanha, na Áustria, na Bélgica, em Dubai, na França, Itália, Holanda, em Luxemburgo, na República Tcheca e Suíça.

Empresas podem monitorar colaboradores nas redes sociais?

As empresas, através de seus gestores, têm a obrigação legal de proteger e preservar os ativos, especialmente os intangíveis que são Reputação e Conhecimento. Por isso, têm o direito de vigiar as informações que são publicadas nas redes sociais que estejam associadas a mesma, seja diretamente, ou através de seus colaboradores. Logo, sim, a empresa pode monitorar, mas para poder punir uma situação de abuso ou má-conduta precisa antes ter publicado claramente as regras de postura para os colaboradores.

Por este motivo, é fundamental a empresa elaborar uma cartilha orientativa sobre postura em Redes Sociais. Ela pode ser feita tanto como um documento avulso como também vir a integrar o Código de Ética. No caso, deve-se recomendar posturas gerais, aplicáveis seja no trabalho ou na vida pessoal já que é muito difícil delimitar claramente quando a pessoa está agindo em caráter pessoal e particular e quando está falando em nome da empresa, cargo e função. Este documento tem finalidade educativa mas também jurídica, é essencial para garantir a proteção da empresa.

Além disso, a empresa deve estar presente com canais oficiais em todas as redes sociais, e fazer menção dos mesmos em seu site, até para evitar que alguém se passe por ela falsamente e venha a enganar e gerar danos a terceiros, bem como deve fazer monitoramento periódico (varredura social geral). Isso não fere privacidade, afinal, já está tudo publicado. Assim será capaz de identificar e agir rapidamente havendo um incidente, bem como tomar proveito do aprendizado que se tem ao ouvir o que as pessoas estão dizendo sobre a empresa.

Vivemos a era da transparência corporativa, profissional e pessoal em tempo real, publicado no mundo! As redes sociais são mais que um canal de comunicação, são um canal de documentação, onde o conteúdo se perpetua no tempo e pode sim gerar responsabilidades para as partes envolvidas. Não há como ficar isento das opiniões que publicamos atualmente.

Confira algumas dicas de postura nas redes sociais, independente do tipo de acesso:

  • 1. Cadastrar-se nas Redes Sociais em nome próprio evitando gerar vínculo direto a empresa em que trabalha;
  • 2. Publicar opiniões baseadas nos princípios da boa-fé, e em conformidade legal apenas em nome próprio, evitando associar qualquer tipo de opinião pessoal à marca da empresa em que trabalha;
  • 3. Evitar exposição excessiva de vida íntima, evitar comentar rotinas do seu dia-a-dia que podem gerar algum risco de segurança, tais como horários, trajetos, agendas, local de residência;
  • 4. Somente utilizar conteúdos que tenha legitimidade ou que seja autor ou que tenha tido autorização das demais partes envolvidas previamente;
  • 5. Realizar backups preventivos para evitar a perda de todo o seu conteúdo em situação de apagão digital;
  • 6. Orientar filhos e/ou familiares sobre o uso ético, seguro e legal das Redes Sociais, inclusive sobre a necessidade de cautela e proteção das informações da família, para evitar vazamento de informações financeiras, relacionadas à conta bancária, cartão de crédito, senhas, remuneração, patrimônio;
  • 7. Somente publicar informações corporativas classificadas como públicas, que tenha certeza que podem ser expostas de forma aberta na Internet; evitar falar de rotina de trabalho e zelar pelo sigilo profissional;
  • 8. Somente associar a marca da empresa quando estiver participando do canal oficial da mesma, estabelecido nas redes sociais, e evitar publicação de conteúdos ou opiniões não condizentes com seu cargo ou função. As respostas à terceiros, como consumidores, devem ser feitas apenas pela área competente para tanto;
  • 9. Utilizar linguagem e vocabulários adequados, de modo a evitar qualquer tipo de opinião que possa ser considerada ambígua, subjetiva, agressiva, hostil, discriminatória, vexatória, ridicularizante ou que de algum modo possa ferir a imagem da empresa, de seus colaboradores, parceiros, fornecedores e clientes; evitar o uso de apelidos para fazer menção a demais colaboradores;
  • 10. Zelar pela proteção da sua reputação e da empresa e informar à área competente qualquer situação ou informação que identificar como relacionada a empresa.

 (*) Patricia Peck Pinheiro é advogada especialista em Direito Digital, sócia fundadora da Patricia Peck Pinheiro Advogados, autora do livro “Direito Digital”, do áudio-livro e do pocket book “Tudo o que você precisa ouvir sobre Direito Digital”, do áudio-livro “Eleições Digitais” e do áudio-livro “Direito Digital Corporativo”, todos da Editora Saraiva. Twitter: @patriciapeckadv.

Categorias:Mercado de Trabalho Tags:

Tray Sistemas tem vaga para Analista de Redes

A Tray Sistemas, empresa especializada em comércio eletrônico, está com vaga para Analista de Redes com o seguinte perfil:

  • Conhecimentos em FreeBSD;
  • Configuração de Apache, PHP e MySql;
  • Regras de firewall PF (packet filter).

Interessados enviar currículo para rh@tray.com.br.

Eficiência RH oferece vaga para Auxiliar de Departamento de Redes

Eficiência Recursos Humanos está com vaga de emprego para Auxiliar de Departamento de Redes com os seguintes requisitos:

  • Residir em Marília;
  • Possuir CNH A/B;
  • Disponibilidade de horário;
  • Disponibilidade para viajar;
  • Curso técnico ou superior cursando;
  • Experiência profisional hardware e rede;
  • Inglês intermediário;
  • Salário: R$ 800,00 – 44 horas semanais.

Interessados entrar em contato com:

Eficiência Recursos Humanos
Recutamento e Seleção
Rua: XV de Novembro nº 658
Fone: (14) 2105-0555
lucile@eficienciarh.com.br

Vaga para Estagiário em TI

Empresa seleciona estagiário(a) para área de T.I., o candidato deve  estar cursando Ciência da Computação, Sistemas de Informação ou Redes de Computadores.

O estágio é no horário comercial e tem uma bolsa de R$525,00.

Interessados devem encaminhar currículo para o e-mail gislaine@univem.edu.br

Fonte: Supervisão de Estágios/ Núcleo de Prática Profissional – UNIVEM

Parceria com Eficiência RH

O aumento por vagas na área de Tecnologia da Informação e a dificuldade em encontrar profissionais preparados faz com que seja necessário encontrar alternativas para atender às demandas das empresas por mão-de-obra especializada.

Neste contexto, a empresa Eficiência RH de Marília, empresa especializada em recrutamento, seleção e terceirização de recursos humanos buscou nos cursos superiores de informática do UNIVEM (Bacharelado em Ciência da Computação, Bacharelado em Sistemas de Informação e Tecnologia em Redes de Computadores) uma parceria na indicação de alunos que possam atender essa demanda.

A partir deste mês todas as vagas disponíveis na área de TI estão sendo oferecidas diretamente para os alunos dos cursos de informática do UNIVEM e isso faz com que além de atender a demanda do mercado regional de TI, haja também uma maior aproximação e inserção dos estudantes no mercado de trabalho.

Alunos do UNIVEM têm acesso aos softwares Microsoft

Os alunos dos cursos de informática do Univem (Bacharelado em Sistemas de Informação, Bacharelado em Ciência da Computação, Tecnologia em Redes de Computadores e Especialização em Sistemas para Internet) têm acesso aos softwares da Microsoft.

Isso é possível porque o Univem mantém uma parceria com a Microsoft, por meio do programa Academic Alliance, que coloca à disposição de professores e alunos dos cursos de informática e computação os softwares da empresa. Eles podem utilizá-los durante as atividades dos cursos, tantos nos laboratórios da instituição, quanto em seus computadores pessoais. Os próprios alunos têm uma conta de acesso ao site da empresa, em que podem baixar os softwares.

Atualmente softwares como Windows 7, Visual Studio 2010, XNA Game Studio 3.0, SQL Server 2008, BizTalk Server 2009, MapPoint 2009, Microsoft Robotics Developer Studio 2008, Windows Server 2008, entre outros, estão disponíveis para download.

Prefeitura abre 20 vagas em informática

A Prefeitura de Marília oferecerá 20 vagas para estágio remunerado para a área de Informática. O edital do processo seletivo será publicado na edição desta sexta-feira (14) do Diário Oficial do Município de Marília, no site da Prefeitura (no menu Processo Seletivo, na barra superior), e do Ciee – Centro de Integração Empresa-Escola.

De acordo com o secretário municipal da Administração, José Carlos da Silva, os contratados trabalharão na Rede Municipal de Educação, em Emefs (Escolas Municipais de Ensino Fundamental). A jornada de trabalho é de cinco horas diárias, perfazendo 25 horas semanais. A remuneração é de um salário mínimo nacional (R$ 465,00). O estagiário tem direito ao seguro contra acidentes pessoais e ao auxílio-transporte, desde que comprovada a necessidade deste último.
“Podem concorrer às vagas estudantes dos cursos superiores de Ciência da Computação, Sistemas de Informação, Tecnologia em Informática para a Gestão de Negócios, Análise de Sistemas e Tecnologias da Informação, Tecnologia em Rede de Computadores e de Tecnologia em Processamento de Dados”, afirma o secretário.
Entre as atribuições do estagiário está o de apoiar o instrutor de informativa, assim como professores regentes e classes, nas atividades necessárias ao atendimento dos alunos, atuar as atividades de apoio suplementar, colaborar no suporte técnico aos usuários, participar das atividades escolares e executar tarefas que lhe forem atribuídas sempre com a supervisão de um profissional habilitado, entre outras tarefas.

INSCRIÇÕES
O interessado em participar do processo seletivo deve se dirigir à sede do Ciee, na avenida Santo Antônio, 646, centro. A inscrição – gratuita – deverá ser feita entre 19 e 21 de agosto, das 8 às 17 horas. Deve comparecer munido de cópia simples do RG, do CPF (Cadastro de Pessoas Físicas) e do comprovante de matrícula da universidade ou faculdade em que conste o ano/termo do curso que frequenta.
A prova será realizada no dia 29 de agosto, em local e horário a ser definido, conforme demanda do número de inscritos. A avaliação – que terá duração de três horas – conterá 40 questões, sendo 10 de Língua Portuguesa, 10 de Matemática e 20 de Conhecimentos Específicos.
O processo seletivo é válido até o dia 31 de dezembro deste ano. A duração do estágio poderá ser de até dois anos.