Arquivo

Posts Tagged ‘Redes’

Vaga de Estágio em Redes

A Abase Telecom, empresa no ramo de Telecomunicações em Marília e Região, abre processo seletivo para Estagiário em Redes.

Desejável: Cursando graduação a partir do 3º ano ou 6º termo/semestre em Sistemas de Informação, Ciência da Computação ou afins.

Conhecimentos Necessários: Office, Protocolo TCP/IP, NAT, Configurações Windows.
Diferenciais: Conhecimentos em Linux e Inglês.
Imprescindível: Pontualidade e Comunicação interpessoal.
Remuneração: A combinar.
Horário: 6 horas/dia.
Grande possibilidade de efetivação.

Enviar Currículos para rh@abasetelecom.com.br.

Anúncios

Sasazaki tem vagas para analistas

A empresa Sasazaki está com 3 vagas para analistas.

ANALISTA DE NEGÓCIOS SÊNIOR

Sólida experiência em modelagem de processos de negócio, visão ampla dos processos e áreas de negócio de uma indústria; e gestão de projetos (MS Project).

Será responsável por gerir de forma adequada todos os projetos de TI (Sistemas de Informação e Infra Estrutura), com base nas melhores práticas (PMI e etc.).

 

ANALISTA DE SISTEMAS SÊNIOR

Sólida experiência técnica e funcional em desenvolvimento e administração em Progress, ERP Totvs Datasul (desejável versão 11).

Será responsável pela implantação, desenvolvimento e manutenção de todos os sistemas de informação da empresa (ERP, CRM, BI e etc.).

 

ANALISTA DE SUPORTE SÊNIOR

Sólida experiência em Administração de redes de computadores, VMWare, Unix ( HP-UX preferencialmente), Windows Server 2008 e  Windows 7 (ou superiores), e monitoramento de ambientes de alta disponibilidade.

Conhecimento em: Citrix, VDI (Virtual Desktop Infrastructure) e telecomunicações.

Será responsável pela manutenção, implementação e inovação de toda a infra-estrutura de TI (datacenters, servidores, desktops, dispositivos móveis, rede, telecomunicações, etc.).

 

Completam o perfil de todas as vagas:

  • Visão sistêmica, com foco em resultados;
  • Forte habilidade para trabalhar e liderar times, perfil hands-on;
  • Pró-atividade e flexibilidade são essenciais;
  • Excelente relacionamento interpessoal.

Disponibilidade para residir em Marília-SP

Formação: Superior Completo em Tecnologia da Informação, Ciência da Computação e/ou áreas afins. (Desejável pós-graduação).

Os interessados deverão enviar seu currículo por e-mail para: CV@sasazaki.com.br

Parceria entre o Univem e NIC.br traz curso gratuito de IPv6

Estão abertas, até o dia 14 de Setembro ou até que se completem as vagas, as inscrições para o curso IPv6 básico.

O curso é oferecido pelo NIC.br em parceria com o Univem. As inscrições são gratuitas já que o curso é 100% subsidiado pelo CGI.br/NIC.br cujo valor nominal é de R$5.000,00. As vagas porém são limitadas!

O NIC.br considera a implantação do IPv6 fundamental para a Internet, por isso, desde 2008, oferece cursos de formação na área. Esses cursos são referência de qualidade, e já colaboraram na formação de mais de 2000 técnicos, analistas e engenheiros de redes no país.

O curso acontece de 01 a 05 de outubro das 09:00 às 17:00 nos laboratórios do Univem.

Para ter mais informações sobre o curso acesse: http://ipv6.br/basico e para fazer sua inscrição acesse: http://ipv6.br/inscricao-marilia.

Vagas de estágio na área de gestão de redes

Vagas de estágio em Marília na área de gestão de redes para alunos que estejam cursando Ciência da Computação ou Sistemas de Informação:

Atividades da função:

  • Análise de infra-estrutura;
  • Análise de performance de rede;
  • Gestão de problemas de conectividade de rede;
  • Projeto e implantação de redes de telecom;
  • Instalação de equipamentos ativos de rede.
  • Gestão de segurança de equipamentos e redes.

Conhecimentos básicos:

  • Introdução a infra-estrutura de redes de computadores;
  • Endereçamento IPv4 e introdução ao IPv6
  • Instalação e administração de servidores Linux e FreeBSD

Treinamentos oferecidos:

  • Introdução a redes de computadores;
  • Endereçamento IP;
  • Instalação e otimização de servidores;
  • Introdução a infraestrutura de redes HFC, FTTH e Wireless;

Conhecimento em Línguas:

  • Inglês intermediário – leitura.

Interessados devem enviar currículo para suporteinternet@univem.edu.br.

Empresa de Marília tem vaga para Gerente de Redes e Técnico em Telecom

Empresa de Marília está com as seguintes vagas em aberto:

Gerente de Rede

Técnico em Telecom (ou elétrica)

  • Experiência na área.
  • Disponibilidade para viagens.

Interessados enviar currículos para maicont@hotmail.com.

Quase metade das empresas checa redes sociais de candidatos a emprego

Se você tem contas em redes sociais, leia o artigo abaixo do Portal R7 e fique atento aos seus perfis nessas redes, sua identidade e reputação está associada ao conteúdo de suas redes e as empresas não separam o real do virtual, portanto, fique atento.

Quase metade das empresas brasileiras (44%) dizem levar em conta o perfil dos candidatos no Orkut, no Twitter e no Facebook para definir a contratação.

Fotos e informações inadequadas em redes sociais podem prejudicar quem busca uma vaga de emprego.

Segundo pesquisa realizada pela Robert Half, empresa de recursos humanos, quatro em cada dez recrutadores entrevistados checam os perfis dos candidatos. Ao menos 30% deles diriam que o motivo da dispensa seria o descontentamento da empresa com atitudes praticadas na internet.

Outros 25% dos entrevistados dizem não se importar com o que o candidato a uma vaga de emprego faz nas redes sociais. No entanto, 89% dos recrutadores disseram visitar os perfis para conhecer a pessoa. Quase metade faz isso sempre (46%) e 43% só checam o perfil de quem já foi entrevistado.

O advogado trabalhista Marcos César Amador Alves diz que as informações postadas nos sites de relacionamento são públicas e as empresas têm o direito de verificar os perfis.

– Se a própria pessoa publica as informações em sites de relacionamento e as empresas acessam esses dados não é invasão de privacidade porque os dados são públicos.

Além disso, o trabalhador dificilmente consegue se proteger na Justiça caso desconfie que foi excluído de um processo seletivo por alguma escolha da vida particular como, por exemplo, a sexualidade. De acordo com a advogada e doutora em direito do trabalho pela PUC-SP Fabíola Marques, é quase impossível provar que um candidato a alguma vaga de emprego foi discriminado.

– A gente sabe que na prática isso acontece na hora da contratação. Fica quase impossível demonstrar que uma pessoa não foi contratada por algo que ela publicou na rede social.

O estudo foi realizado pela companhia Robert Half, especialista em RH, que entrevistou 2.525 recrutadores e executivos do setor no Brasil, Alemanha, Áustria, Bélgica, Dubai, França, Itália, Holanda, Luxemburgo, República Tcheca e Suíça.

O estudo ouviu 2.525 recrutadores e executivos do setor no Brasil, na Alemanha, na Áustria, na Bélgica, em Dubai, na França, Itália, Holanda, em Luxemburgo, na República Tcheca e Suíça.

Empresas podem monitorar colaboradores nas redes sociais?

As empresas, através de seus gestores, têm a obrigação legal de proteger e preservar os ativos, especialmente os intangíveis que são Reputação e Conhecimento. Por isso, têm o direito de vigiar as informações que são publicadas nas redes sociais que estejam associadas a mesma, seja diretamente, ou através de seus colaboradores. Logo, sim, a empresa pode monitorar, mas para poder punir uma situação de abuso ou má-conduta precisa antes ter publicado claramente as regras de postura para os colaboradores.

Por este motivo, é fundamental a empresa elaborar uma cartilha orientativa sobre postura em Redes Sociais. Ela pode ser feita tanto como um documento avulso como também vir a integrar o Código de Ética. No caso, deve-se recomendar posturas gerais, aplicáveis seja no trabalho ou na vida pessoal já que é muito difícil delimitar claramente quando a pessoa está agindo em caráter pessoal e particular e quando está falando em nome da empresa, cargo e função. Este documento tem finalidade educativa mas também jurídica, é essencial para garantir a proteção da empresa.

Além disso, a empresa deve estar presente com canais oficiais em todas as redes sociais, e fazer menção dos mesmos em seu site, até para evitar que alguém se passe por ela falsamente e venha a enganar e gerar danos a terceiros, bem como deve fazer monitoramento periódico (varredura social geral). Isso não fere privacidade, afinal, já está tudo publicado. Assim será capaz de identificar e agir rapidamente havendo um incidente, bem como tomar proveito do aprendizado que se tem ao ouvir o que as pessoas estão dizendo sobre a empresa.

Vivemos a era da transparência corporativa, profissional e pessoal em tempo real, publicado no mundo! As redes sociais são mais que um canal de comunicação, são um canal de documentação, onde o conteúdo se perpetua no tempo e pode sim gerar responsabilidades para as partes envolvidas. Não há como ficar isento das opiniões que publicamos atualmente.

Confira algumas dicas de postura nas redes sociais, independente do tipo de acesso:

  • 1. Cadastrar-se nas Redes Sociais em nome próprio evitando gerar vínculo direto a empresa em que trabalha;
  • 2. Publicar opiniões baseadas nos princípios da boa-fé, e em conformidade legal apenas em nome próprio, evitando associar qualquer tipo de opinião pessoal à marca da empresa em que trabalha;
  • 3. Evitar exposição excessiva de vida íntima, evitar comentar rotinas do seu dia-a-dia que podem gerar algum risco de segurança, tais como horários, trajetos, agendas, local de residência;
  • 4. Somente utilizar conteúdos que tenha legitimidade ou que seja autor ou que tenha tido autorização das demais partes envolvidas previamente;
  • 5. Realizar backups preventivos para evitar a perda de todo o seu conteúdo em situação de apagão digital;
  • 6. Orientar filhos e/ou familiares sobre o uso ético, seguro e legal das Redes Sociais, inclusive sobre a necessidade de cautela e proteção das informações da família, para evitar vazamento de informações financeiras, relacionadas à conta bancária, cartão de crédito, senhas, remuneração, patrimônio;
  • 7. Somente publicar informações corporativas classificadas como públicas, que tenha certeza que podem ser expostas de forma aberta na Internet; evitar falar de rotina de trabalho e zelar pelo sigilo profissional;
  • 8. Somente associar a marca da empresa quando estiver participando do canal oficial da mesma, estabelecido nas redes sociais, e evitar publicação de conteúdos ou opiniões não condizentes com seu cargo ou função. As respostas à terceiros, como consumidores, devem ser feitas apenas pela área competente para tanto;
  • 9. Utilizar linguagem e vocabulários adequados, de modo a evitar qualquer tipo de opinião que possa ser considerada ambígua, subjetiva, agressiva, hostil, discriminatória, vexatória, ridicularizante ou que de algum modo possa ferir a imagem da empresa, de seus colaboradores, parceiros, fornecedores e clientes; evitar o uso de apelidos para fazer menção a demais colaboradores;
  • 10. Zelar pela proteção da sua reputação e da empresa e informar à área competente qualquer situação ou informação que identificar como relacionada a empresa.

 (*) Patricia Peck Pinheiro é advogada especialista em Direito Digital, sócia fundadora da Patricia Peck Pinheiro Advogados, autora do livro “Direito Digital”, do áudio-livro e do pocket book “Tudo o que você precisa ouvir sobre Direito Digital”, do áudio-livro “Eleições Digitais” e do áudio-livro “Direito Digital Corporativo”, todos da Editora Saraiva. Twitter: @patriciapeckadv.

Categorias:Mercado de Trabalho Tags: